Resenha | Y: O Último Homem

E se você fosse o ultimo homem na face da Terra?
Em Y: O Último Homem, conhecemos a história de Yorick Brown e Ampersand (o famoso “&” em cima do “5” do seu teclado) um macaco cappuccino que deveria ser treinado por Yorick para ajudar deficientes físicos.
Tudo começa quando em meados de 2002 um misterioso evento acaba por matar instantaneamente todos os seres com o cromossomo Y. O acontecimento transforma o mundo em um verdadeiro caos e fazendo cair por terra o sistema de sociedade como conhecemos. É em meio a esse caos que somos apresentados a Yorick Brown, um artista de fuga que falava com sua namorada, Beth, que estava no outback australiano no momento em que tudo aconteceu.
A historia dessa dupla ainda conta com outros personagens, como as suas companheiras de viajem, 355, uma agente do governo integrante do lendário circulo culper e que a pedido da mãe de Yorick, a senadora Jennifer Brown, para proteger seu filho e única chave para uma possível resposta para o mistério da morte dos portadores do cromossomo y e a doutora Allison Mann uma cientista que dava a luz a um clone desenvolvido por ela mesma no exato momento da aniquilação do cromossomo y. Juntos o trio deve alcançar a resposta para este mistério enquanto sobrevive em sua jornada para manter o último homem vivo, já que a sua vida vale muito, e para algumas mulheres sua morte vale mais ainda.
Brian K Vaughan cria uma trama que tem tudo para agradar qualquer leitor, temos ficção, humor, ação e referencias pop. O roteiro também é indicado para quem procura algo diferente do habitual herói com grandes poderes e grandes responsabilidades. Seu herói tem tiradas criativas e engraçadas, alem de ser o verdadeiro poço de cultura pop da série, citando desde filmes a trechos de músicas e uma infinidade de citações a este tipo de cultura, algumas mais reconhecidas pela nova geração, outras nem tanto. Claro que os outros personagens têm seu momento, mas o roteiro consegue manter muito bem a proposta de focar o último homem na Terra, alem de mostrar que isso não seria o mar de rosas que muitos pensam. A desenhista Pia Guerra não se intimida ao ter que aceitar o desafio de desenhar centenas de mulheres ao longo da série e mostra um trabalho limpo, com belos traços, alem das cores vivas e que compõem muito bem a atmosfera da HQ.
No Brasil Y: O Último Homem é lançado pela Panine e brevemente deve chegar à sua reta final, a série tem 60 capítulos, distribuídos em compilações com um ótimo preço. A série originalmente foi lançada pelo selo Vertigo da DC Comics.
Resenha escrita por: Eduardo Fossati

5 comentários:

  1. Olá,
    Parabéns pelo blog! Estou seguindo.
    Segue lá também..

    http://www.estanteseletiva.com/

    ResponderExcluir
  2. Desculpe pela demora amore. mas estou seguindo, siga o meu tbm.
    parabéns pelo blog.

    Post novo, entrem e comente!!!
    http://gabriellyrosa.blogspot.com

    G.R ♥

    ResponderExcluir
  3. Oi Tainara!
    Resenha diferente a de hoje,mas gostei o blog é bem diversificado e parece ser a tua cara tb.
    Bjos Fabi
    http://roubando-livros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Menina que coisa de doido esse livro!!
    Adorei!!!

    Conhecendo seu blog agora e gostando bastante!!

    Bjkas

    ResponderExcluir
  5. Que demais essa resenha, curti muito.
    Gosto muito do enredo

    Beijinhos
    Renata
    http://escutaessa.blogspot.com.br
    http://www.facebook.com/BlogEscutaEssa
    @blogescutaessa

    ResponderExcluir

© Cultura e Donuts - 2015. Todos os direitos reservados.
Criado por: Tainara Rodrigues de Figueiredo.
Tecnologia do Blogger.